Justiça, direito e vingança na filosofia moral de Friedrich Nietzsche

  • Ricardo Juozepavicius Gonçalves Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo
Palavras-chave: Nietzsche, Justiça, Vingança, Reparação de Danos

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir acerca da crítica do filósofo alemão Friedrich Nietzsche à moral ocidental e sua concepção sobre justiça e direito, demonstrando a profunda influência do sentimento de vingança, advindo das relações contratuais primitivas e dos castigos aplicados resultantes do descumprimento dessas obrigações.

Biografia do Autor

Ricardo Juozepavicius Gonçalves, Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo
Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Advogado. Assistente do Professor Carlos Eduardo Batalha que ministra a disciplina de Filosofia Jurídica na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Membro de grupos de estudos do Núcleo de Direito e Democracia do CEBRAP e de Direitos Humanos do IBCCRIM.

Referências

BENOIT, Blaise. Justice as a problem. Tradução de Vinícius de Andrade. Cadernos Nietzsche, n. 26, São Paulo, 2010.

CAMARGO, Gustavo Arantes. Relações entre justiça e moral no pensamento de Nietzsche. Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 79-97, jan./jun. 2011.

COSTA E FONSECA, Ana Carolina da. Uma leitura nietzscheana da questão da responsabilidade moral. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia (doutorado), 2010.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Tradução por Edmundo Fernandes Dias e Ruth Joffily Dias. Editora Rio, 1976. p. 79.

FERNANDES, Rodrigo Rosas. Nietzsche e o Direito. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Tese de Doutorado, 2005.FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Labirintos da Alma –Nietzsche e a auto-supressão da moral. Unicamp, 1997.27NIETZSCHE, F.W. Assim Falou Zaratustra. Tradução de Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2007. p. 78.

MATTOS, F.C. Nietzsche e o primado da prática: um espírito livre em guerra contra o dogmatismo.2007. 270 f. Tese (doutorado) – faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Filosofia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MELO, Eduardo Rezende. Nietzsche e a Justiça: crítica e transvaloração. São Paulo: Perspectiva, 2010.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A Gaia Ciência. Tradução, notas e posfácio por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Além do bem e do mal. Tradução, notas e posfácio por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

______. Anticristo. Tradução por Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2007.

______. Assim Falou Zaratustra. Tradução de Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2007.

______. Aurora: reflexões sobre preconceitos morais. Tradução, notas e posfácio por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

______. Genealogia da Moral. Tradução, notas e posfácio por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

______. Humano, Demasiado Humano. Tradução, notas e posfácio por Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

______. Vontade de Potência. Tradução, prefácio e notas por Mario Ferreira dos Santos. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2011.

RIBEIRO, Flávio Augusto Senra. Culpa e responsabilidade em Nietzsche. Horizonte, Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 169-178, 2º sem. 2004.
Publicado
2014-11-04
Como Citar
Gonçalves, R. (2014). Justiça, direito e vingança na filosofia moral de Friedrich Nietzsche. Revista Da Faculdade De Direito De São Bernardo Do Campo, 20. Recuperado de https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/35
Seção
Artigos