A VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA INTRAFAMILIAR RELACIONADA AO ÍNDICE DE SUICÍDIOS ENTRE ADOLESCENTES E A FALTA DE EFETIVIDADE DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

  • LETICIA SOMINI CAPECCE

Resumo

O Estatuto da Criança e do Adolescente, promulgado em 1990, permitiu que as relações entre pais e filhos tivessem uma percepção muito mais ampla e democrática. A doutrina da proteção integral passa a analisar a criança e o adolescente sobre uma nova perspectiva, eles deixam de ser vistos como propriedade para ser, obrigatoriamente, reconhecidos e respeitados como sujeitos de direitos em nossa sociedade, tornando-se prioridade absoluta em qualquer situação. Apesar disso, muitas vezes a criança e o adolescente não são respeitados em seus direitos e acabam ficando submetidos às determinações de seus responsáveis, o que demonstra o abuso de poder disciplinar arraigado que existe, ainda hoje, entre nós. O abuso psicológico é capaz de gerar consequências gravíssimas para o adolescente, afetando diversas áreas de sua vida e podendo levá-lo, até mesmo, ao desejo de suicídio. Dessa forma, o presente artigo tem por objetivo abordar a violência psicológica intrafamiliar; as consequências dessa agressão no desenvolvimento cognitivo, emocional e mental dos adolescentes e a sua vinculação ao índice de suicídios existente atualmente em nosso país.

Publicado
2018-08-23