O discurso de ódio na sociedade em rede: a simbiose entre o medo e o ódio

  • Yuri Felix Pontifícia Universidade Católica
  • Bruno Silveira Rigon PUC-RS
Palavras-chave: Discurso de Ódio, Sociedade em Rede, Direito Penal do Inimigo

Resumo

As próximas linhas estarão dedicadas ao estudo do denominado discurso de ódio na sociedade em rede, fenômeno este global e cada vez mais presente no cotidiano. Ainda, busca problematizar o debate a respeito deste discurso e seus reflexos políticos e jurídicos na prática do sistema de punição.

Biografia do Autor

Yuri Felix, Pontifícia Universidade Católica
Doutorando
Bruno Silveira Rigon, PUC-RS
Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais, Especialista em Ciências Penais, Mestre e Doutorando em Ciências Criminais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor de Direito Penal e Direitos Humanos no Curso de Direito da Faculdade de Integração do Ensino Superior do Cone Sul (FISUL). Coordenador da Comissão Especial de Estudos Biopolíticos - CEEB do Canal Ciências Criminais. Co-organizador das obras "Biopolíticas: Estudos sobre Política, Governamentalidade e Violência" e "Cárcere em Imagem e Texto: Homenagem a Sidinei José Brzuska". Advogado. Realiza pesquisas nas seguintes áreas: Direito Penal e Processual Penal, Criminologia, Direitos Humanos e Direitos Fundamentais, Justiça de Transição e Segurança Pública, História das Ideias Jurídicas e Políticas, Biopolítica e Filosofia Política.

Referências

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

BARBOSA, Milton Gustavo Vasconcellos; FRANK JUNIOR, Wilson. Do escudo de Aquiles à capa do Batman: O heroísmo togado e seus riscos à democracia. In: Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, volume 5, número 2, p. 147-157, julho/dezembro, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. O medo e o ódio têm a mesma origem.Entrevista com ZygmuntBauman. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/557602-qo-medo-e-o-odio-tem-a-mesma-origemq-entrevista-com-zygmunt-bauman. Acesso em: 12/12/2016.

______. Internet: o ódio que suspende a ética. Disponível em: . Acesso em: 12/12/2016.

BINDER, Alberto M. O descumprimento das formas processuais: elementos para uma crítica da teoria unitária das nulidades no processo penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.

BRUM, Eliane. Na política, mesmo os crentes precisam ser ateus. In: El País, 14 de março de 2016. Disponível em: . Acesso em: 22/03/2016.

CASARA,Rubens R. R. Processo penal do espetáculo: ensaios sobre o poder penal, a dogmática e o autoritarismo na sociedade brasileira. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede: Do Conhecimento à Política. In: CASTELLS, Manuel; CARDOSO, Gustavo (Orgs.). A sociedade em rede: do conhecimento à acção política. Portugal: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. São Paulo: UNESP, 2011.

DIAS, Fernando Nogueira. O medo social e os vigilantes da ordem emocional. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

ECO, Umberto. Construir o inimigo e outros ensaios ocasionais. Lisboa: Gradiva, 2011.

FOUCAULT, Michel. Prefácio (Anti-Édipo). In: MOTTA, Manoel Barros de (org). Ditos e Escritos. Vol. VI: Repensar a Política. Tradução de Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

GLOECKNER, Ricardo Jacobsen. Anticorrupção ou corruptibilidade das formas? In:Boletim IBCCRIM, nº. 277, dez. 2015.

KARNAL, Leandro. O mal da polarização política atual. Disponível em: . Acesso em: 30 de setembro de 2016.

LACLAU, Ernesto. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LEBRUN, Jean-Pierre. O ódio na pós-modernidade. Disponível em: . Acesso em: 05 de dezembro de 2016.

LOPES JR., Aury. Introdução crítica do processo penal(Fundamentos da Instrumentalidade Constitucional). 5. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

MORIN, Edgar. Cultura e Barbárie Européias. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do Bem e do Mal. São Paulo: Centauro, 2006.

OZ, Amós. Como Curar Um Fanático: Israel e Palestina: Entre o Certo e o Certo. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. Como sair do ódio?Uma entrevista com Jacques Rancière. Disponível em: . Acesso em: 30/06/2016.

RIBEIRO, Mariana Cardoso dos Santos. Direito e autoritarismo, a expulsão de comunistas no Estado Novo (1937-1945). Prisma Jurídico, São Paulo, volume 7, número 1, jan./jun. 2008; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O Estado Novo, o Dops e a Ideologia da SegurançaNacional. In: PANDOLFI, Dulce (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

ROUDINESCO, Elisabeth. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

RUSSEL, Bertrand. Ensaios Céticos. Porto Alegre: L&PM, 2010.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SANTOS, Boaventura de Souza. Poderá o direito ser emancipatório? In:Revista Crítica de CiênciasSociais, 65, Maio, 2003.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

SCHMITT, Paula Helena. Espaços de Exceção / A Produção Biopolítica do Medo e do Inimigo. In: GLOECKNER, Ricardo Jacobsen; FRANÇA, Leandro Ayres; RIGON, Bruno Silveira. (Org.). Biopolíticas: estudos sobre política, governamentalidade e violência. Curitiba: iEA Academia, 2015.

SÉMELIN, Jacques. Purificar e destruir: usos políticos dos massacres e genocídios. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

SOUZA, Ricardo Timm de. Ainda além do medo: filosofia e antropologia do preconceito. 2. ed. Porto Alegre: Editora Fi, 2015.
Publicado
2018-12-19
Como Citar
Felix, Y., & Rigon, B. (2018). O discurso de ódio na sociedade em rede: a simbiose entre o medo e o ódio. Revista Da Faculdade De Direito De São Bernardo Do Campo, 24(2), 16. Recuperado de https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/904