CONSUMO OU CONSUMISMO

UMA NECESSIDADE HUMANA?

  • ROLDÃO ALVES DE MOURA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
Palavras-chave: Consumo e consumismo, necessidades humanas, degradação ambiental, obsolescência programada

Resumo

O capitalismo depende do consumo, e a sociedade capitalista é refém do consumismo. O consumo exagerado se transforma em consumismo, ou seja, as pessoas passam a adquirir produtos e serviços muito além daquilo que seria considerado essencial para a sua sobrevivência. A produção em grande escala, aliada à prática da obsolescência programada, tem agravado a situação do planeta graças à grande quantidade de lixo eletroeletrônico e à exploração indiscriminada dos recursos naturais. O ser humano tem o direito ao atendimento de suas necessidades humanas como condição para uma vida digna, mas não pode se tornar refém das “ofertas” e das “novidades”.

Referências

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Trad. Artur Morão. Lisboa/Portugal: Edições 70 Ltda., 1995a.

______, Para uma crítica da economia política do signo. Trad. Aníbal Alves. Rio de Janeiro: Elfos Editora/Ed. Lisboa, Edições 70, 1995b.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor Ltda., 2008.

______.A ética é possível num mundo de consumidores? Trad. Alexandre Werneck. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda.,2011.

BRASIL, Banco Central do Brasil. Cidadania financeira. Disponível em:. Acesso em 15/12/2016.

CHIAVENATO, Júlio José. Ética globalizada & sociedade de consumo.2 ed. reform. São Paulo: Editora Moderna Ltda., 2004.

DIAS FILHO, Antonio Jonas. As mulatas que não estão no mapa. Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, Universidade Estadual de Campinas. Campinas: Cadernos Pagu, 1996.Disponível em: . Acesso em 15/12/2016.

DUMONT, René. A sociedade de consumo. Entrevista por Eduardo Haro Tecglen. Trad. Costa Vieira e Irineu Garcia. Rio de Janeiro: Salvat Editora do Brasil S.A., 1979.

GALBRAITH, John Kenneth. A sociedade da abundância. Trad. Henrique de Barros. Lisboa/Portugal: Livraria Sá da Costa Editora, 1963.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Trad. Raul Fiker. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1991.

HINKELAMMERT, Franz Josef. Crítica à razão utópica. Trad. Álvaro Cunha. São Paulo: Editora Paulinas, 1988.

LEIVAS, Paulo Gilberto Cogo; NETO, Cláudio Pereira de Souza; SARMENTO, Daniel (coords.). Estrutura normativa dos direitos fundamentais sociais e o direito fundamental ao mínimo existencial. Direitos sociais: fundamentos, judicialização e direitos sociais em espécie. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2010.

LUDWIG, Celso Luiz. Para uma filosofia jurídica da libertação: paradigmas da filosofia, filosofia da libertação e direito alternativo. Florianópolis: Conceito Editorial, 2006.

MAX WEBER. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. M. Irene de Q.F. Szmrecsányi e Tamás J. M. K. Szmrecsányi. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 1967.

PEREIRA, Potyara A. P. Necessidades humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. São Paulo: Cortez, 2000.

SCHRICKEL, Wolfgang Kurt. Análise de crédito: concessão e gerência de empréstimos. São Paulo: Atlas, 1994.

MARQUES DA SILVA, Marco Antonio. Cidadania e democracia: instrumentos para a efetivação da dignidade humana. Tratado Luso-Brasileiro da Dignidade Humana. 2ª ed., São Paulo: Quartier Latin, 2009.

TECGLEN, Eduardo Haro. A sociedade de consumo. Trad. Costa Vieira e Irineu Garcia. Rio de Janeiro: Salvat Editora do Brasil S.A., 1979.
Publicado
2018-09-17
Como Citar
MOURA, R. (2018). CONSUMO OU CONSUMISMO. Revista Da Faculdade De Direito De São Bernardo Do Campo, 24(1), 14. Recuperado de https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/931