A HISTORIOGRAFIA E O PAPEL CRÍTICO DAS HUMANIDADES PARA A CONSOLIDAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

  • Rafael Parisi Abdouch Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo de São Francisco).
Palavras-chave: Direitos humanos, historiografia, método, filosofia, humanidades

Resumo

Este artigo visa a trazer algumas breves reflexões sobre a necessidade de uma justificação de natureza teórico-filosófica para os direitos humanos e o papel que as humanidades e, especialmente, uma história crítica tem a desempenhar nesse processo. Por outro lado, alerta para os perigos de abordagens históricas irrefletidas sobre o assunto.

Biografia do Autor

Rafael Parisi Abdouch, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo de São Francisco).

Graduado em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, foi aluno intercambista na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e é mestrando em direito do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

 Lattes: http://lattes.cnpq.br/1521166427105546

Referências

ANSCOMBE, G. E. M. On brute facts. Analysis, v. 18, n. 3, jan. 1958.

ATIENZA, Manuel. El sentido del derecho. Barcelona: Ariel, 1993.

BERTI, Enrico. As razões de Aristóteles.Tradução: Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 2002.

BIELEFELDT, Heiner. Filosofia dos direitos humanos.Tradução: Dankwart Bernsmuller. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

BOURDIEU, Pierre. La force du droit: eléments pour une sociologie du champ juridique. In: Actes de la recherche en sciences sociales, septembre, 1986.

BRETONE, Mario. Diritto e tempo nella tradizione europea.Bari-Roma: Laterza, 1996.

COLLINGWOOD, Robin George. A história como re-presentação da experiência passada. In:Gardiner, Patrick (org.).Teorias da história.Tradução: Vítor Matos e Sá. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2004.

COURTIS, Christian. El juego de los juristas. Ensayo de caracterización de La investigación dogmática. In: ______. Observar La ley: ensayos osbre metodologia de la investigación jurídica. Madrid: Trotta.

CUTER, João Vergílio. Interpretação e objetividade. Cadernos Direito GV, seminário 29, v. 6, n. 3, maio de 2009.

DWORKIN, Ronald. A matter of principle. Cambridge (MA): Harvard University Press, 1985.

FERES JÚNIOR, João. De Cambridge para o mundo, historicamente: revendo a contribuição de Quentin Skinner. In: DADOS-Revista de Ciências Sociais, 2005.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica.Tradução: Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 1999.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo.Tradução: Marcia Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2002.

HESPANHA, António Manuel. Cultura jurídica europeia: síntese de um milénio.Coimbra: Almedina, 2012.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês.Tradução: Luciana Villas-Boas Castello-Branco. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1999.

______. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. In:Estudos Históricos, 1992.

______. The practice of conceptual history.Stanford, CA: Stanford University Press, 2002.

KRONMAN, Anthony T. Education's end: why our colleges and universities have given up on the meaning of life. New Haven CT: Yale University Press, 2007.

LOPES, José Reinaldo de Lima. As palavras e a lei: direito, ordem e justiça na história do pensamento jurídico moderno.São Paulo: Direito GV/34, 2004.

______. Entre a teoria da norma e a teoria da ação. In: Storck, Alfredo Carlos e Lisboa, Wladimir Barreto (org.). Norma, moralidade e interpretação: temas de filosofia política e do direito. Porto Alegre: Linus, 2009, pp. 43-80.

______. Direitos humanos e tratamento igualitário: questões de impunidade, dignidade e liberdade. In: RBCS-Revista Brasileira de Ciências Sociais, fevereiro, 2000.

______. Filosofia analítica e hermenêutica: preliminares a uma teoria do direito como prática. Revista de informação legislativa: RIL, v. 53, n. 212, pp. 203-226, out./dez. 2016.

______.Naturalismo jurídico no pensamento brasileiro. São Paulo: FGV / Saraiva, 2014.

NUSSBAUM, Martha C. Capabilities and human rights.In: Fordham Law Review, v. 66, 1997, pp. 273-300.

______. Human rights and human capabilities. In: Harvard Human Rights Journal, v. 20, 2007, pp. 21-14.

______. Not for profit.Priceton, NJ: Princeton University Press, 2010.

O'BRIEN, Ruth. Foreword. In: Nussbaum, Martha C. Not for profit. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2010, pp. ix-xi.

OLIVEIRA, Luciano. Não fale do Código de Hamurabi: a pesquisa sócio-jurídica na pós-graduação em Direito. In: Anuário dos cursos de pós-graduação em direito(UFPE), v. 13, 2003, pp. 299-330.

RAWLS, John. A theory of justice.Cambridge(MA): the Belknap Press of Harvard University Press, 1971.

RICOEUR, Paul. Hermeneutics and the human sciences: essays on language, action and interpretation.Tradução: John B. Thompson. Cambridge, MA: Cambridge University Press / Maison des Sciences de L'Homme, 1981.

SEARLE, John R. Mente, linguagem e sociedade: filosofia no mundo real.Tradução: F. Rangel. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia.Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

WINCH, Peter. The idea of a social science and its relation to philosophy.London: Routledge, 2008.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução: Marcos G. Montagnoli. Petrópolis: Vozes, 2014.
Publicado
2019-07-04
Como Citar
Abdouch, R. (2019). A HISTORIOGRAFIA E O PAPEL CRÍTICO DAS HUMANIDADES PARA A CONSOLIDAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS. Revista Da Faculdade De Direito De São Bernardo Do Campo, 25(1), 15. Recuperado de https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/936